domingo, 26 de setembro de 2010

Referências:

Ø  http://www.dasmariasblog.pop.com.br/post/1231/maquiagem-ecologicamente-correta-saude-e-beleza-para-voce-vida-para-o-meioambiente
Ø  http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/mulher-maquiagem/historia-da-maquiagem.php
Ø  http://www.clicrbs.com.br/especiais/jsp/default.jsp?espid=21&uf=1&local=1&newsID=a1522107.htm&section=Corpo%20cosm%E9ticos
Ø  http://www.cosmeticsonline.com.br/ct/ct_exibir_materia.php?id_materia=13
Ø  http://www.webartigos.com/articles/14095/1/Extincao-e-Impacto-Ambiental/pagina1.html
Ø  Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano
Ø  Carlos Alberto Mucelin, Marta Bellinip
Ø  Isabela Lacerda Cury-9º ano E/2001-nº16
Ø  São Paulo-SP
Ø 
Ø  Isabela Yoshida-9º ano E/2000-nº17
Ø  São Paulo-SP
Ø 
Ø                                  Giovanna Santoro-9º ano E/2000-nº14
Ø  São Paulo-SP
Ø 
Ø                                                                          Thais Hon-9º ano E/2000-nº33
Ø   São Paulo-SP
Ø                                                                                                          
Ø  Ninna Perez-9ºano E/2010-nº25
São Paulo-SP

Considerações finais:


A partir de todo esse estudo sobre todos os problemas que são gerados pelo simples fato de consumir maquiagens, principalmente o pó facial, podemos perceber a grandiosidade das conseqüências em centros urbanos e principalmente, na natureza. O ato de consumir não prejudica apenas a nossa personalidade e muda nossa razão de viver, também gera impactos na natureza, desde o momento de sua produção até a hora de seu consumo e despejo. Mesmo com todos esses problemas causados pela produção de maquiagens, pode-se perceber também que existem meios de preservar o meio ambiente, não deixando de consumir, mas consumindo com consciência e responsabilidade. Um dos meios observados para que isso ocorra em questão ao consumo de maquiagens, são as maquiagens minerais. Podemos fazer do nosso habitat um lugar preservado e sem prejuízos.

5-Maquiagens Minerais

O fato da grande produção de lixo gerada pela produção de maquiagens, ultimamente tem sido um assunto polêmico e comentado. Em cidades urbanas o lixo é causado de diversas formas como a poluição, o chorume entre outras maneiras do aumento do lixo, mas atualmente, o lixo e os impactos ambientais causados pela produção de maquiagens vêm trazendo inúmeros prejuízos para a natureza.
Muitos componentes presentes nas maquiagens são nocivos na natureza. Alguns ingredientes como o óxido de zinco, que é fabricado a partir da reação do zinco eletrolítico + oxigênio, ou seja, durante a fundição do metal zinco ocorre a reação com o oxigênio, formando o óxido de zinco.
Produto sintético de constituição inorgânica, quimicamente inerte. Fórmula geral: ZnO.
Outro cosmético muito utilizado é o blush que em sua descrição estão presentes os seguintes componentes: Pó fino, branco, inodoro, solúvel em ácidos e álcalis e insolúvel em água, álcool e óleo. Materiais ou substancias compatíveis : Ácidos fortes, magnésio, agentes oxidantes fortes e borracha clorada em altas temperaturas.
As questões ambientais têm sido discutidas em todos os segmentos, buscam-se soluções sustentáveis para os principais problemas que ameaçam a sobrevivência da humanidade. Uma das formas encontradas para que ocorra a diminuição da produção de lixo causada durante o processo de produção de maquiagens foi a invenção das maquiagens orgânicas, minerais e as ecologicamente corretas.
O que diferencia esses tipos de maquiagem das outras, são os componentes presentes nas fórmulas de cada produto (que é consumido em grande escala). Os componentes usados são livres de aditivos químicos, como os conservantes, outra vantagem dos produtos ecológicos é a forma de da obtenção de testes de qualidade, que não são feitos em animais, preservando assim, o ecossistema.
São chamados “cosméticos verdes”, devido ao fato de que em suas formulas não agridem o meio ambiente. A característica desses “novos cosméticos”, são que eles são hipoalérgicos, isto é não causam irritações na pele, para identificá-los, na embalagem deve conter as seguintes informações: naturas- contem entre 5 e 70% de ingredientes  orgânicos na formula; elaborado com ingredientes orgânicos se possuir de 95% de substratos orgânicos recebe a esta certificação. Muitas das maquiagens que encontramos em prateleiras de farmácias e mercados não são 100% orgânicas. Exceto as maquiagens elaboradas com fórmulas manipuladas em farmácias de confiança.
As maquiagens orgânicas são produzidas com extratos de origem sustentável, não possuem aditivos químicos, como conservantes e o melhor, não são testados em animais. Infelizmente, como o produto tem menos conservante, costuma, lógico, durar menos que as maquiagens comuns, deve-se usar em no máximo 6 meses. Apesar disso a substituição de maquiagens comuns por orgânicas é muito positiva para a pele, pois não ressecam e não obstruem os poros, diminuindo assim, a incidência de acne.

4-Impactos gerados ambientais gerados pelo Pó Facial:


A produção da maquiagem no mundo todo não vem apenas da sua elaboração, mas da sua degradação no meio ambiente. Um dos produtos mais visados no mercado consumidor nos dias de hoje é o pó facial.
O pó facial serve para dar acabamento à maquiagem tirando o brilho, fixando a base e dar aspecto aveludado. Existem alguns tipos de pó facial, sendo eles: Pó compacto (que vem em um estojinho), Pó solto (famoso pó-de-arroz), e por ultimo o Pó bronzeador (que da uma cor mais bronzeada). Muitas mulheres de todas as idades usam com freqüência esse produto por influência, acima de tudo, da mídia. Como conseqüência tem a contaminação do solo e alteração da qualidade da água e do ar.
Atualmente as embalagens de maquiagens produzidas são feitas com produtos orgânicos que não atingem a natureza e o meio ambiente. As composições químicas encontradas no pó facial são: mica; talco; (titaniumdioxide); poliaciladiato; diglicerila; tetraisostearato de pentaeritrila; estearato de magnésio; óleo da semente de simmondsia chinensis. E essas composições agridem o meio ambiente na hora da extração. O titânio natural, como por exemplo, se torna radioativo e polui o meio ambiente.

3-Produção do acumulo de lixo:

A consolidação e o crescimento do capitalismo nas últimas décadas transformaram a maioria dos ocidentais em meros objetos de consumo. Para existir, é necessário consumir.
A padronização da nossa cultura exercida pelos norte-americanos também transformou o padrão de beleza deles  no único padrão aceito e vendido, principalmente, pela televisão. Nessa situação, as mais afetadas são as mulheres. Somos obrigadas a acreditar, desde crianças, que temos que ser loiras, altas, magras e com o rosto perfeito e livre de "defeitos", meta absurda e impossível para a maioria de nós. Essa alienação não apenas movimenta o capital das grandes empresas e reflete no nosso lado psicológico, transformando-nos em pessoas vazias tanto de opinião quanto de sentimentos, mas também tem seu impacto no meio ambiente. Para "melhorarmos" nossa aparência, consumimos todo tipo de produto, entre eles a maquiagem. Milhões de mulheres se maquiam todos os dias. Conseqüentemente, milhões e milhões de cosméticos são produzidos e jogados fora todos os dias, situação agravada pelo fato das empresas produzirem cosméticos com prazo de validade cada vez menor, fazendo-nos comprar cada vez mais.
E quase todas essas embalagens são jogadas fora, contribuindo para o volume de lixo da cidade em que moramos. Isso sem contar o lixo produzido pelas indústrias na fabricação de seus produtos. Porém, algumas empresas, como Natura e O Boticário estão começando a se preocupar com a sustentabilidade, vendendo refis; organizando postos de coleta de embalagens, que serão recicladas; e até mesmo fazendo embalagens mais discretas ou sendo práticas e vendendo produtos sem embalagens, somente com o frasco, reduzindo a produção de lixo.

2-A influencia do consumismo

2-A influencia do consumismo

Cada povo ou comunidade tem sua cultura, e é essa cultura que caracteriza a forma do uso do ambiente onde vivemos, cada grupo tem seu jeito de utilização do espaço em que vive, os costumes e os hábitos de consumo caracterizam as diferentes formas de vida que cada grupo possui. Em ambientes urbano tais costumes e hábitos de consumo são expressos de uma forma exagerada, para a aceitação de um indivíduo em um grupo social, em uma cultura, depende, basicamente falando, da aparência e dos bens matérias, onde de uma forma oculta é encontrado o consumismo.
O ato de consumir produtos, de uma forma exagerada pode ser prejudicial para a nossa saúde ou para o ambiente. O tipo de influência que as empresas, por meio da propaganda e da publicidade, bem como a cultura industrial, por meio da TV e do cinema, exercem nas pessoas uma forma de incentivo ao consumismo. Muitos afirmam  que elas influenciam ao consumo desnecessário, sendo este um fruto do de muitos problemas que são gerados para o ambiente em que vivemos.
O consumista não age como o consumidor, que compra as mercadorias e os serviços de que necessita para sua existência, já aquele está sempre atravessando as fronteiras da necessidade para poder ser igual às pessoas do grupo social predominante com quem convive.
Além disso, o aumento desse ato de consumo leva nossa sociedade a uma desvalorização dos hábitos e dos valores, pois as pessoas se tornam “escravas do materialismo”, fazendo com que as pessoas sejam julgadas pela sociedade pelo o que tem e não por quem é, nem pelo seu caráter. As próprias relações sociais se desvalorizam diante o materialismo.
O consumo cotidiano de produtos industrializados é responsável pelo aumento da produção de lixo. A produção de lixo nas cidades é de tal intensidade que não é possível reconhecer uma cidade sem notar a problemática gerada pelos resíduos sólidos, desde a etapa da geração até as conseqüências geradas.

Imagem I – Consumismo mundial - http://psicocafe.blogosfere.it/images/consumismo.jpg

1-Introdução

Hoje, influenciadas pelas mídias, a maioria das pessoas está em uma busca frenética por uma perfeição inexistente, pois a velocidade com que novos produtos são jogados no mercado é tão alta e faz com que as pessoas troquem os produtos com tanta freqüência que não dá tempo para que o antigo produto acabe ou estrague para se comprar um novo. Tudo isso para ser aceito em uma sociedade que  o diferente é considerado "errado", esse constante campo de batalhas leva a situações extremas, principalmente os jovens que são o publico alvo e mais influenciado pelas mídias, como a bulimia, anorexia e vigorexia, além de gerar situações de bulling, e o que muitas pessoas não sabem, podem gerar impactos ambientais.
O objetivo desse  artigo é alertar a comunidade internacional sobre a perda contínua e crescente da biodiversidade, aumentar a conscientização da importância da biodiversidade para a sustentabilidade do planeta e do bem-estar humano, para celebrar tanto a Vida na Terra quanto o valor da biodiversidade em nossas vidas, utilizando os subtemas Ecossistemas e Regulação; e Ecossistemas e Cultura do congresso bio -http://hotsite.marista.org.br/congressobio/default.aspx vamos analisar como a maquiagem, tão usada entre as mulheres e uma parte dos homens,afeta o meio ambiente, de onde suas propriedades são extraídas, como são processadas e como voltam para o meio ambiente.
A maquiagem usada hoje como uma forma de passar certa impressão a respeito de si mesmo a sociedade já teve outros usos, um dos primeiros relatos de uso de maquiagem são datados em 33oo A.C. e estavam diretamente ligados a religião, era forma de adoração aos deuses, essas pinturas corporais eram feitas em sua maioria em ocre e negro extraídos de minerais moídos e diluídos em água, já os faraós usavam perucas e pintavam os olhos para se diferenciar de seus súditos, é nessa época que tratamentos de beleza e o uso de maquiagem começa a ser usado, essa moda lançada por Cleópatra logo se espalha para a Europa e a pele clara se torna uma obsessão universal, porém diante a uma indignação masculina e da igreja sobre o uso de cosméticos essa pratica passa a ser proibida e quem fosse pego utilizando algum desses artifícios era acusado de bruxaria, mas enfim no século XVI a vaidade vence e somente no século XX, com os avanços da indústria química fina, que os cosméticos se tornam produtos de uso geral.